Navigation Menu

Lar doce lar: as casas que sobrevivem nas grandes cidades

Por Luiza Gould e Daniela Reis


Uma dona de casa, uma pedagoga, uma advogada aposentada, um engenheiro químico. O que eles têm em comum? Todos não abriram mão de suas casas e por isso mantém de pé essas que são construções cada vez mais raras nos centros urbanos. Espremida entre duas obras em andamento na Rua Mem de Sá, em Icaraí, a casa de Maria Bárbara Simão ficou famosa no ano passado e é um exemplo dessa situação. Vários jornais contaram a história da professora que se recusou a vender seu imóvel por R$ 5 milhões e chegou a ganhar uma placa em homenagem a sua resistência concedida pelo Movimento Pop Goiaba. Apesar de receber críticas, Maria em nenhum momento pensou em abrir mão da casa projetada pelo pai na qual criou os dois filhos.


Histórias como essa fazem muitos se perguntarem o motivo de moradores como Maria, Martha, Rosane e Alexandre, os personagens citados no início da matéria, não venderem suas casas. Para Leonardo Marques de Mesentier, urbanista e professor da UFF, é possível pensar na manutenção desses espaços segundo dois aspectos: a relação de afetividade dos moradores com suas casas e a variedade morfológica, ou seja, a necessidade de haver uma mescla do uso do solo. “É importante essa variedade não só para o espaço urbano, como para as relações dentro de uma grande cidade. Porque a memória é que cria a possibilidade de identidade entre as pessoas”, afirma.







* Vídeo produzido por Igor Pinheiro


Segundo o professor a mudança ocorrida em Niterói, com o crescimento da população, pode ter como causas o fato da cidade ter um “IDH azul”, ou seja, uma boa renda média de seus moradores. A proximidade do Rio de Janeiro é outro fator. Graças a ela e o boom imobiliário sentido muito no Rio, com a subida súbita de preços no setor, há uma migração para Niterói. “Já ouvi um caso de uma pessoa que comprou um apartamento no Rio por R$ 44 milhões. São preços exorbitantes originados com esses surtos. Então há um crescimento do número de pessoas vindo para Niterói”, explica Leonardo.




[caption id="attachment_1924" align="alignleft" width="282"]Professor Leonardo Mesentier explica o crescimento populacional em Niterói e atesta um boom imobiliário nos últimos anos Professor Leonardo Mesentier explica o crescimento populacional em Niterói e atesta um boom imobiliário nos últimos anos/ foto Daniela Reis[/caption]

O boom imobiliário citado pelo professor teve início, segundo ele, com o fato de o dinheiro da caderneta de poupança não ser investido para se construir habitações. Por lei, um valor deveria ser emprestado com esse fim, mas a norma não estava sendo seguida pelos bancos. Com o governo Lula, no entanto, passou-se a obrigar o empréstimo para habitação e esse financiamento elevado acabou ocasionando o chamado “boom”. A corrida pela compra de imóveis por sua vez favoreceu a especulação imobiliária nas cidades, entre elas Niterói, que já sente os efeitos do boom e no início deste ano passou a ter o terceiro metro quadrado mais caro do país, valendo R$ 6.477, de acordo com pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). “Especular significa comprar algo que você acha que vai valorizar, o que acontece muito na compra de terrenos. Na especulação ativa passa a se fazer modificações no terreno para valorizar e encarecer o preço”, aponta Leonardo.


Com áreas valendo cada vez mais, as ofertas para a compra de casas se elevam e muitas pessoas não resistem à venda. Mas nem sempre é assim. Conheça nessa série de reportagens, que faz jus ao nome do Casarão, as histórias por trás das casas que permanecem de pé nos bairros do Ingá e Icaraí, em Niterói. Clique nas imagens das casas para conhecer cada uma delas.




[caption id="attachment_1913" align="alignleft" width="282"]A Casa da Martha A Casa da Martha[/caption]

[caption id="attachment_1914" align="alignright" width="282"]A Casa da Rosane A Casa da Rosane[/caption]

[caption id="attachment_1916" align="alignleft" width="282"] A casa dos meus avós (Artigo)[/caption]

[caption id="attachment_1906" align="alignright" width="282"] A Casa Restaurante[/caption]

[caption id="attachment_1903" align="alignleft" width="282"]A Casa Videolocadora A Casa Videolocadora[/caption]

0 comentários: