Navigation Menu

Ódio Gratuito no UFF Niterói

Por: Mariana Trindade

 Nos últimos tempos a internet tem sido palco de discurso de ódio de maneira gratuita, e no grupo do facebook “UFF Niterói” não está sendo diferente. O grupo já testemunhou episódios de mau gosto, como publicações e comentários que ferem os direitos humanos, contendo discurso de ódio e intolerâncias: Religiosa, Lesbofobia, homofobia, bifobia, transfobia, misoginia, racista e xenofóbica. Apesar dos moderadores lutarem contra isso, por vezes acabam saindo do controle.
 Há diversos exemplos de pessoas que nem mesmo tem vínculo com a universidade mas entram no grupo para irradiar ódio e realizar propagandas políticas; como o estudante de engenharia de uma outra universidade do Rio que fez comentários com apologia ao nazismo. E o caso da estudante da UFF que foi atacada por comentários lesbofóbicos por um homem que também não estuda na instituição.

Apesar desses casos isolados os moderadores sempre buscam repelir do grupo esses tipos de situações e regularmente fazem posts abertos para denúncia. Em entrevista Lizandra Machado, estudante de jornalismo da UFF e uma das administradoras do grupo, alegou que: "Nós da moderação tentamos dialogar, rever o que foi feito no grupo. Mas há situações como de lesbofobia, machismo, bem como outras de racismo e discurso de ódio que devemos retirar do grupo. Até porque esse é o mínimo que podemos fazer.". Ela também conta que o real intuito de grupo é formar uma rede de ajuda: ”O grupo cresceu de forma surpreendente desde que foi criado, em fevereiro de 2017. O UFF Niterói se tornou importante porque é um espaço que reúne não só estudantes, mas a comunidade acadêmica como um todo. Então, se tornou um canal de dúvidas, troca de informações, ajuda, bem como questionamentos, debates….” A maior parte dos alunos aproveita o para divulgar eventos, venda de livros e alimentos e buscar por itens perdidos.


Aliás, o “Dia de Agostinho Carrara na UFF” é um exemplo da popularidade positiva. O evento que ocorreu no dia 13 de setembro de 2017, com intuito de homenagear o personagem do seriado "A Grande Família" não passava de uma grande brincadeira até ser divulgado no grupo "UFF Niterói"; Assim, de fato diversos alunos foram a caráter e não deixaram de registrar e divulgar no grupo, fora isso, o evento foi reproduzido em outras universidades.
 Dentre essas e outras razões o grupo se mantém ativo, Lizandra acredita que “a importância do grupo se centra nessa ideia de ser um espaço de escuta e formar realmente uma rede”. A aluna destaca também que o humor do grupo e a identificação entre os ocorridos é o tema corriqueiro por vezes proporcionado de forma crítica, caracterizando lutas importantes: “Quando os membros publicam seus próprios memes, textos cômicos e debochados sobre a UFF, chama-se a atenção para os problemas e reivindicações. Muitas publicação falam sobre fila, consumo consciente no bandejão, uso do busuff, fraude nas cotas, machismo, racismo, LGBTfobia, entre outros. E percebo que há muitas pessoas que trabalham na UFF acompanhando a repercussão. Além disso, quando viraliza uma imagem de estudantes cansados pelo fim do período, por exemplo, há uma identificação. Isso tudo demonstra que não estamos sozinhos e compartilhamos, apesar de graus diferentes, dilemas e problemas“



0 comentários: